Saiba como a atividade física pode ser uma aliada ao Combate ao fumo

Vivemos na década do autocuidado, onde atitudes ecologicamente corretas e o bem-estar individual estão, cada vez mais, sendo valorizados pela nossa sociedade. Porém ainda hoje, o tabagismo pode ser um grande inimigo de um estilo de vida ideal.

No brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), um em cada quatro homens e uma em cada quatro mulheres fumam hoje em dia. Já numa perspectiva mundial, quase 20% da população fuma. São números alarmantes que contrapõe todos os malefícios oferecidos pelo vício.

Você sabia que 50% das pessoas não associam o fumo a doenças como o infarto ou câncer de pulmão? Um índice extremamente perigoso, visto que em 2017, por exemplo, 1,5 milhão de fumantes ou pessoas expostas à fumaça do tabaco morreram de doenças respiratórias crônicas.

A OMS tem como objetivo renovar o pedido para que os países reforcem a luta contra o tabagismo e tomem medidas eficientes para a sua redução. Por consequência, o lema da Campanha para o Dia Mundial da Luta Contra o Tabaco é: “Não deixe que o tabaco tire sua respiração”.

Para romper com o vício, podem ser utilizadas diversas medidas, entre elas, o auxílio de remédios e mudanças de hábito visto que há comportamentos que podem fazer com que o fumante dissocie o uso de cigarros de determinados comportamentos. Segundo o psiquiatra João Paulo Martins, tais medidas podem fazer grande diferença na vida daqueles que estão buscando uma vida mais saudável.

O primeiro grande passo é procurar um apoio médico, já que uma avaliação feita por especialistas é essencial na identificação de doenças crônicas ou nos efeitos causados pelo uso do cigarro, e a partir disso, ponderar a necessidade de medicamentos voltados para diminuição dos sintomas de abstinência da nicotina.

Outro ponto que pode fazer grande diferença é a prática de atividades físicas. Elas ajudam a diminuir o estresse e a ansiedade, dois grandes fatores que servem de gatilho para a compulsão do cigarro e; a liberação de neuro-hormônios, provocados pela prática de exercícios, que aumentam a sensação de prazer e proporcionam o alivio de tensões contribuindo para a redução dos sintomas de abstinência.

É importante o apoio de familiares e amigos por isso, é essencial que as pessoas próximas deem o suporte necessário para o paciente se mantenha motivado em sua decisão.

A meta do OMS é reduzir a porcentagem do uso do tabaco em 25% até 2025, e por isso, precisamos da ajuda de todos para alertar aqueles que ainda não estão conscientes dos malefícios do cigarro e apoiar aos que estão buscando uma melhora na qualidade de vida.

 

Fonte: Terra e Economia UOL