A dança é uma atividade física que envolve som e ritmo e balanço, sua prática exige intensa movimentação do corpo e proporciona o gasto de energia por meio de gestos, posturas e movimentos. Por ser um exercício envolvente e sem limitação de idade, a dança agrada a todos os públicos por possui inúmeros ritmos como a dança de salão, contemporânea, zumba, balé, dança de rua e muitos outros.

Apesar de possuir diversas modalidades, todos os estilos carregam em comum enormes benefícios a saúde, entre eles podemos citar o aumento da flexibilidade, o aprimoramento da coordenação motora, a melhora cardiorrespiratória e também a otimização do condicionamento aeróbico. Em vista disso, A RCM possui em seu currículo de atividades uma variedade de ritmos de dança abrangendo desde o público infantil à melhor idade.

Como todas as práticas de exercícios, a dança também ajudar a queimar gorduras e manter o peso. Ela permite a realização de exercícios de equilíbrio e de postura, saltos, passos e giros que ajudam a ficar em dia com a balança. Uma hora de forró, por exemplo, chega a queimar 300 calorias já a zumba, dança popular do momento, consegue eliminar pelo menos 400 calorias por hora. Além do aperfeiçoamento de técnicas corporais básicas como correr, rolar, parar, saltar, puxar e empurrar. Lembrando sempre que cabe ao profissional adaptar os passos as limitações físicas de cada aluno.

Estima-se que o tempo ideal para dançar é de três vezes na semana durante 30 minutos, sendo suficiente para causa uma melhora na disposição, energia e memória. Isso acontece devido ao entrosamento necessário entre corpo e a mente para acompanhar o ritmo da música.

No âmbito psicológico, a dança ajuda a canalizar emoções negativas como a raiva e angústia contribuindo para um controle saudável da nossa carga emocional; ela também é uma atividade social, ou seja, cria inúmeras possibilidades de se relacionar com outras pessoas o que causa uma melhora da autoestima, proveniente das construções de relações de amizades e pertencimentos de grupo.

A cada novo passo aprendido, a cada nova coreografia decorada, são alcançados benefícios a saúde tanto mental quanto física. Isso reforça a sensação de segurança, o sentimento de ser capaz. Toda essa satisfação conseguida na dança acaba se estendendo para as outras esferas da vida da pessoa.

Outro efeito da dança é a regulação da produção de serotonina e dopamina, dois neurotransmissores estreitamente ligados ao quadro de depressão. Dançar deixa a pessoa feliz e bem-disposta, tendo efeitos terapêuticos contra o stress, a ansiedade e a depressão.

Como qualquer atividade física, é importante a permanência nas aulas para manter o condicionamento físico, escolhendo assim a modalidade por gostos pessoais e afinidades, para que facilite a continuidade.

Não podemos esquecer das recomendações para prevenir lesões, antes da prática procure lubrificar as articulações e ao final, fazer alongamento e relaxamento dos músculos.  Procure seu estilo ideal e deixa a música ser sua guia.